Pra não dizer que não falei de flores

Vou falar... Desconfio das flores...

Flores são traiçoeiras, haja visto o arquétipo das flores: as rosas. Sob todo o perfume e maciez, escondem espinhos sempre prontos a nos machucar. São como armadilhas, nas quais os incautos se atiram em busca de um prazer momentâneo e acabam cansados e feridos.

Flores envelhecem e murcham. Seus encantos são efêmeros, e nos trazem mais trabalho do que alegria. E o que é pior: envelhecem e murcham por mais que nos esforcemos para que isso não aconteça. Como um "brinco-de-princesa" que eu tive, e que só me restou a opção de devolvê-la à florista de quem a comprei. Vou falar pra vocês... Não existe um PROCON das flores, porque elas não podem oferecer a mínima garantia.

Por outro lado, gosto das árvores. Acho que elas oferecem uma segurança e uma solidez, uma vez bem plantadas, que deve ser a única explicação semântica possível para as várias conotações do verbo "trepar". Afinal, trepamos nas árvores, sentimos o apoio rígido e forte do seu tronco e dos seus galhos, a sensação de querermos nos erguer cada vez mais alto, a vertigem do perigo da queda e a sublime sensação de nos vermos acima do mundo.

Flores nos proporcionam momentos. Árvores nos proporcionam orgasmos. Flores são idiotas demais para que atinjam o próprio gozo, ao passo que árvores gozam intensamente conosco. Flores se quebram ao nosso mínimo toque, ao passo que sobre árvores podemos repousar tranquilamente nossas cabeças. Isso sem contar que a beleza das árvores é muito mais perene do que a das flores.

Hoje desconfio das flores... Quando escrevi algumas músicas, eu delas não desconfiava. Queria plantar um jardim de flores e nele descobrir a minha flor mais bela. Besteiras que a idade e a experiência foram suplantando.

Mais do que isso... Já desprezei a belas árvores por causa das mais efêmeras flores. Felizmente, ao passo que as flores murcharam, as árvores continuaram se fortalecendo e crescendo, e suas sombras, e galhos, e frutos, continuaram frondosos e prontos a me acolher. E, digam-me a verdade... Algum de vocês já viu algo mais bonito do que um Ipê - sazonal, mas não temperamental - florido?


Postado em 19/03/2009 às 00:23      3 comentários

 

Voltar