As penas da lei

Cartaz com letras mais que garrafais - afinal uma garrafa não é tão grande assim - num terreno próximo à minha futura residência:

"Proibido jogar lixo e entulho sob as penas da lei"

Assim mesmo, sem vírgula, sem nada. Confesso que eu ficava pensando onde é que ficam as penas da lei. Com certeza não ficam voando sobre o tal terreno, já que ele está cheio de lixo e entulho. Aliás... eu nem imaginava que a tal da lei era uma espécie de galináceo, que tinha penas sob as quais poderiam se abrigar alguns ovos de ouro, mas nunca entulho e lixo.

Isso até semana passada, é claro... Quando pude assistir, ao vivo e à cores, uma série de penas voando em pleno poleiro-mor da lei no país. Vetustas togas de urubus xingando-se de "excelência" e dando um exemplo nada excelente para o resto da nação. Espalhando todo o lixo e todo o entulho pelo meio do mato (grosso), onde antes só havia jacarés, capangas e muitos laranjas.

Acho que foi por isso que só hoje eu reparei direito no tal cartaz. Tive quase uma epifania ao descobrir onde ficam as penas da lei: lá na Praça dos Três Poderes... E a força da descoberta foi tão arrebatadora que eu pude até compreender porque, nessa praça, existe aquele esquisitíssimo pombal em forma de pregador... Deve ser para lá que varrem as penas da lei que voam por todos os lados. E deve ser por isso que a estátua da Justiça está vendada... Vergonha dos pombos, que acabam levando a culpa.

P.S.: Por falar em lei, ordem e penas voando, por que será que ninguém percebeu ainda que é facílimo, para mim, apagar os comentários inconvenientes?


Postado em 25/04/2009 às 15:02      2 comentários

 

Voltar