Magia sexual?

Eu tenho a mania de, de vez em quando, rabiscar em qualquer lugar umas anotações para futuros posts. Obviamente, até mesmo porque esse "qualquer lugar" é uma coisa muito transitória, estes posts quase nunca deixam de ser apenas isso: anotações perdidas. O legal, portanto, de estar se mudando e, com isso, jogando pilhas de papéis velhos fora, é dar de cara com alguma dessas anotações.

Lembro-me que recebi um email qualquer falando sobre um "curso de magia sexual" (juro que eu queria entender porque ainda me escolhem para mandar esse tipo de bizarrice) e fiquei pensando sobre esse termo: "magia sexual". Altamente ambíguo...

Se "magia sexual" significa utilizar sexo para fazer magia - por mais que eu duvide da eficácia de qualquer tipo de magia (pelo menos na nossa sociedade ocidental) - tal curso seria, de qualquer forma, uma tremenda perda de tempo. Afinal, hoje em dia todo mundo está cansado de saber que a prática do sexo - sem o uso de certos "amuletos" nada mágicos e encontráveis em qualquer farmácia - pode resultar em dois dos efeitos mais mágicos, maravilhosos e obscuros da existência humana: o nascimento ou a morte.

Agora, se "magia sexual" significa utilizar magia para conseguir fazer sexo, o que, sinceramente, me pareceu mais ser a intenção do propagandista-autor do referido curso, a coisa piora. Afinal, a dita profissão mais antiga do mundo, aliada à tecnologia moderna, já resolveram esse problema: anúncios em jornais e pílulas azuis dispensam o uso de qualquer tipo de magia, até para os mais incapazes.

A não ser que a intenção do curso seja justamente esta: atrair mentes vazias com fundilhos caídos para arrecadar fundos polpudos, que permitam (mesmo que antes obriguem) o uso da moderna tecnologia...


Postado em 11/05/2009 às 23:26      6 comentários

 

Voltar