Reforma gramaticau

Toda a polêmica gerada por esse último acordo entre os países de língua portuguesa para unificar a ortografia me parece uma coisa bastante supérflua. Afinal, o que deveria ser mudado, mesmo, nunca é: o excesso de letras em nosso alfabeto, que causa uma tremenda confusão.

Pensem comigo... existe algum motivo real para termos várias letras que, dependendo da palavra, têm o mesmo som? E não me venham com a história da etimologia! Isso é algo que, assim como a análise sintática, só professores de português empedernidos dizem que serve pra alguma coisa.

Querem um exemplo gritante? A confusão com o C, o S, o Ç, o K, o Q, o Z e (pra piorar) os SS e os QU. Tem muita redundância aí. Na verdade, tanto Ç, quanto Q, K, SS e QU podem ser abolidos. Os sons sibilantes ficam por conta do S, os sons duros por conta do C e o resto por conta do Z. Só cuando fizermos iso, vamos comesar a acabar com a complicasão.

A divizão de papéis entre o J e o G também pode ser abolida, o ce eliminaria igualmente grande parte do GU. Se o som é "gê", escreve-se com J. Se é "guê", escreve-se com G. O H também é outra letra inútil. Fora com ela! Ningém teria mais dúvidas na ora de escrever jiló e a jestão da língua portugeza ficaria bem mais simples. Seria um jesto eróico e muito apresiado pelos estudantes.

O U deveria ter som de U, e o L, som de L. Nada dos dois confundirem seus papéis por causa do som iguau. O ce me leva a pensar em outra coiza: podemos iguaumente abolir o CH, já ce temos o X. Acabaríamos de ves (ou cuase) com esa xatura dos encontros consonantais se o LH fose também deixado de lado e palavras como "orelia", "maravilia", "galio" fosem escritas como se fala pelas novas jerasões. Aliás, pelas novas jerasoens, já ce foram elas mesmas ce, com a Internet, aboliram o TIL, naum é mesmo?

Axo ce esa reformulasaum primordiau do portugêz, no entanto, pode ser atrapaliada e acabar naum dando serto. Afinau, naum consigo imajinar um jeito cualcer de acabar com o NH e com o RR.


Postado em 03/12/2009 às 11:37      2 comentários

 

Voltar