Sim, o Brasil pode!

Na minha última postagem, fiz uma pequena brincadeira com determinados paradigmas da nossa sociedade. É preciso reconhecer, no entanto, que mesmo os padrões mais estabelecidos, os comportamentos e preconceitos mais arraigados, passam por transformações e, com maior ou menor resistência, acompanham a marcha da história.

No decorrer do dia de ontem, quase 57% da população brasileira e mais de 66% da população do Distrito Federal e Entorno mostraram que querem, sim, romper paradigmas que não servem mais para o país. Elegeram a primeira mulher presidente do Brasil e, ao mesmo tempo, rejeitaram as amarras do clientelismo e expurgaram da vida pública desta capital o fantasma de uma política arcaica e corrupta.

Duas frases, para mim, marcaram esta última semana. Na segunda-feira passada, pude ouvir pessoalmente do senador Cristovam Buarque o seguinte: "a diferença entre nós e eles é que eles querem usar o trabalhador para fortalecer o capital, e nós queremos usar o capital para fortalecer o trabalhador". E hoje pela manhã, olhando as notícias, ouvi da nossa presidente eleita: "eu gostaria muito que os pais e as mães das meninas pudessem olhar hoje nos olhos delas e dizer 'sim, a mulher pode'".

Eu vou além. Acho que sim, o Brasil pode, o povo brasileiro pode. E demonstrou isso não retrocedendo, não se rendendo a promessas vazias e recuando para modelos ultrapassados. Reconhecendo que, ao longo dos últimos 8 anos houve percalços, mas houve igualmente uma caminhada nunca vista em direção a um país mais justo, mais democrático, mais igualitário.

Parabéns a nós, brasileiros, e a nós, moradores do DF e das suas redondezas. Mostramos que - como também ouvi esta semana - "um tucano pode voar alto, mas nunca vai alcançar uma estrela".


Postado em 01/11/2010 às 07:57      3 comentários

 

Voltar